(47) 3520-6604 cerumar@cerumar.com.brÁrea Restrita

Foram retirados 22 sites do ar em agosto

São Paulo – A Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes) e a Entertainment Software Association (ESA) acabam de divulgar o saldo dos esforços relacionados à defesa da propriedade intelectual realizados em agosto. De acordo com as entidades, além das operações efetuadas nos grandes centros comerciais de todo o país, o principal foco do período foi o monitoramento da venda de programas de computador falsificados pela internet. Ao todo foram retirados do ar 22 sites, além de 1,6 mil anúncios destinados à essa finalidade, um aumento de60% em relação à julho.
“Temos dedicado atenção reforçada para essa frente de trabalho, dada a visível migração da pirataria para esse meio. Para se ter uma ideia, se compararmos os resultados obtidos entre janeiro e agosto de2009 com o mesmo período de 2010, observamos um crescimento de 33% do número de sites irregulares retirados do ar”, detalhou o coordenador do Grupo de Defesa da Propriedade Intelectual da Abes, Antônio Eduardo Mendes da Silva. Segundo o executivo, outro ponto fundamental para os resultados alcançados refere-se às parcerias firmadas com sites de leilão. “Hoje contamos com uma série de parceiros que nos ajudam nesse trabalho. Mercado Livre e Toda Oferta são dois exemplos disso. Uma vez identificado que se trata de um produto irregular, notificamos esses sites e em menos de uma hora os itens são retirados do ar”, explicou.
Em agosto foram realizadas, ainda, 64 operações em todo o país e apreendidos mais de 103,3 mil CDs de software falsificados, montante 6% superior em relação ao período anterior. Nesse contexto, São Paulo e Foz do Iguaçu foram as regiões com maiores saldos de apreensão: 52,9 mil e 30,9 mil, respectivamente. Conscientização -Como objetivo de promover uma discussão com jovens universitários e alertá-los sobre os impactos que pirataria traz para a economia do país e para a geração de empregos formais, além dos riscos a que a população fica exposta ao adquirir uma mercadoria falsificada, a Abes, a ESA, a Associação Antipirataria Cinema e Música (APCM) e o Grupo de Proteção à Marca (BPG)promoverão eventos em universidades de Campinas, Recife, Belo Horizonte e Curitiba.
“Em nossa visão a pirataria é um problema comportamental e socialmente aceito pelo brasileiro. Sendo assim, a iniciativa visa conscientizar os jovens sobre o que há por trás dessa prática e de que forma isso pode impactá-lo. Somente a partir de uma mudança de atitude será possível reverter esse cenário que prejudica a toda a sociedade”, finalizou Antônio

Brasília, 06 de outubro de 2010
Diário do Comércio – MG – Uberlândia/MG
Conselho de Combate à Pirataria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


seis × 4 =