(47) 3520-6604 cerumar@cerumar.com.brÁrea Restrita

Professor da USP critica estudo e diz que resultados são Óbvios

DE SÃO PAULO – Um usuário que usa software pirata sem pagar não compraria o software comercial se a pirataria fosse coibida -é muito possível que boa parte dos usuários de software pirata migrasse para o software livre, que é gratuito. A opinião é de Pablo Ortellado, professor da USP e integrante do Gpopai (Grupo de Pesquisa Pública de Acesso à Informação). Pablo critica o estudo da BSA e diz que boa parte de quem hoje usa Windows pirata não compraria o programa se fosse obrigado a pagar R$ 900 pelas licenças do Windows e do Office.
“Tudo o que o estudo da BSA mostra é o seguinte: se mais software fosse vendido, haveria mais receita e portanto mais emprego e mais impostos -o que é óbvio”, diz o professor.
“A questão relevante é que não se sabe em que medida a redução da pirataria aumentaria as vendas, já que o usuário médio carece de recursos para a compra do software”, completa. ESTUDO Pablo é um dos co autores do relatório (ainda não divulgado) “Estimativas sobre o impacto de cópias não autorizadas de livros e discos na produção industrial, geração de empregos e arrecadação de impostos”, no qual questiona a metodologia de pesquisas divulgadas por organizações antipirataria. “Estudos desses dois setores carecem totalmente de base metodológica”, diz.

Brasília, 29 de setembro de 2010
Folha de S. Paulo/BR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


− 7 = dois